sábado, 21 de fevereiro de 2009

Período Quaresmal

O que quer dizer Quaresma?

A palavra Quaresma vem do latim quadragésima e designa o período de quarenta dias que antecedem a festa da Páscoa.
Na quaresma, que começa na quarta-feira de cinzas e termina na quinta-feira da Semana Santa, os católicos realizam a preparação para a Páscoa. Essencialmente, este período deve ser um retiro espiritual, um tempo de graça, oração, penitência e jejum, afim de obter a conversão em vista de preparar o espírito para a acolhida do Cristo Vivo, Ressuscitado no Domingo de Páscoa.
Assim, retomando questões espirituais, simbolicamente o cristão está renascendo, como Cristo. Todas as religiões têm períodos voltados à reflexão, eles fazem parte da disciplina religiosa. Cada doutrina religiosa tem seu calendário específico para seguir. A cor litúrgica deste tempo é o roxo, que significa luto e penitência.

Cerca de duzentos anos após o nascimento de Cristo, os cristãos começaram a preparar a festa da Páscoa com três dias de oração, meditação e jejum. Por volta do ano 350 d. C., a Igreja aumentou o tempo de preparação para quarenta dias. Assim surgiu a Quaresma: tempo de rompimento total com o pecado.

Portanto, tanto neste período quaresmal como também na páscoa as celebrações litúrgicas não são mera lembrança do passado, algo que aconteceu e passou. Exorta-nos o Catecismo que: “Pela liturgia, Cristo, nosso redentor e sumo sacerdote, continua em sua Igreja, com ela e por ela, a obra de nossa redenção.” (§1069).

Na Bíblia o significado destes 40 dias, o número quatro simboliza o universo material. Os zeros que o seguem significam o tempo de nossa vida na terra, suas provações e dificuldades. Portanto, a duração da Quaresma está baseada no símbolo deste número na Bíblia.
No Brasil, a CNBB fez junção a Quaresma a Campanha da Fraternidade, para aproveitar esse tempo forte de espiritualidade para o exercício da caridade e também da cidadania.

O que se devem fazer no tempo de Quaresma?

A Igreja católica propõe, por meio do Evangelho proclamado na quarta-feira de cinzas, três grandes linhas de ação consideradas “remédios contra o pecado” que Jesus recomendou no Sermão da Montanha (Mt 6, 1-8): a oração, a penitência e a caridade. Portanto, os Católicos são convidados a recolher-se para a reflexão para se aproximarem de Deus aperfeiçoando a sua intimidade com Ele.


É costume na Quaresma, ainda que ele seja válido em qualquer época do ano. O jejum, assim como todas as penitências, é visto pela igreja como uma forma de educação no sentido de se privar de algo e reverte-lo em serviços de amor, em práticas de caridade. Os sacrifícios, que podem ser escolhidos livremente, por exemplo: um jovem deixa de mascar chicletes por um mês, e o valor que gastaria nos doces é usado para o bem de alguém necessitado.

Oficialmente, o jejum deve ser feito pelos cristãos batizados, na quarta-feira de cinzas e na sexta-feira santa. Pela lei da igreja, o jejum é obrigatório nesses dois dias para pessoas entre 18 e 60 anos. Porém, podem ser substituídos por outros dias na medida da necessidade individual de cada fiel, e também praticados por crianças e idosos de acordo com suas disponibilidades.
Ensina-nos a Palavra de Deus: “É boa a oração acompanhada do jejum e dar esmola vale mais do que juntar tesouros de ouro, porque a esmola livra da morte, apaga os pecados, e faz encontrar a misericórdia e a vida eterna” (Tb 12, 8-9).
Disse Jesus: “É necessário orar sempre sem jamais deixar de fazê-lo” (Lc 18,1b); “Vigiai e orai para que não entreis em tentação” (Mt 26,41).


Procuremos viver bem esse tempo que a Igreja nos oferece. Abrindo assim o nosso coração para tudo aquilo que o Senhor tem preparado para nós!




Pedro Aragão
Consagrado Comunidade Obra de Maria
Seminarista cursando o 3º ano de Teologia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário